APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Estudo indica que menopausa deixa mulheres mais vulneráveis ao Alzheimer

Pesquisas anteriores já haviam apontado que níveis baixos de glicose no cérebro podem indicar o desenvolvimento do Alzheimer – e as mulheres no climatério e fase pós-menopausa da pesquisa mostraram esses resultados

Segundo um novo estudo publicado no periódico científico PLoS One, as mudanças metabólicas que ocorrem no cérebro durante o climatério, período de desenvolvimento da menopausa na mulher, podem deixá-las mais vulneráveis ao Alzheimer. De acordo com a Associação Americana de Alzheimer, ser mulher é o segundo maior fator de risco para o surgimento da doença, perdendo apenas para a idade avançada.

A equipe de pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade Cornell junto com cientistas da Universidade do Arizona, ambas nos Estados Unidos, examinaram como os cérebros de 43 mulheres, entre 40 e 60 anos, metabolizavam glicose, principal fonte de energia das células cerebrais. Isso por que pesquisas anteriores já haviam mostrado que níveis baixos de glicose no cérebro podem indicar o desenvolvimento do Alzheimer.

Entre as participantes, 15 estavam na fase pré-menopausa, 14 estavam no climatério e outras 14 no período da menopausa, ou seja, um ano após a última menstruação. No final do estudo, as mulheres que estavam no climatério e pós-menopausa, tiveram níveis mais baixos de glicose do que as outras.

Os pesquisadores identificaram nessas participantes sinais de disfunção mitocondrial, o que significa que o processamento de energia das células do cérebro já perdeu parte de sua eficiência. Uma enzima chave no metabolismo das células, chamada citocromo oxidase, mostrou-se menos abundante. Além disso, elas também tiveram resultados ruins em testes de memória.

Em outro estudo, os mesmos pesquisadores já haviam sugerido que a menopausa pode estar associada a um aumento da proteína beta-amiloide no cérebro, um dos principais biomarcadores do Alzheimer, assim como uma redução da matéria cinzenta e da matéria branca, que são afetadas pela condição neurodegenerativa. “As mulheres precisam de atenção médica e acompanhamento a partir dos 40 anos, antes do surgimento de quaisquer sintomas endócrinos ou neurológicos”, disse Lisa Mosconi, principal autora do estudo.

De acordo com a pesquisadora, algumas estratégias podem ajudar a evitar o Alzheimer. “Consumir alimentos antioxidantes, que beneficiam a atividade cerebral e as mitocôndrias das células, como a linhaça, e fazer atividades físicas regularmente podem manter os níveis de estrógeno saudáveis”.

Menos estrógeno

A deficiência de estrogênio pode ser a principal causa da associação. Segundo os médicos, as células cerebrais possuem receptores do hormônio. A queda dos níveis de estrógeno pode causar uma reação de ausência de energia e tal estado pode levar à disfunção cognitiva. “Nossos resultados mostram que a perda de estrógeno na menopausa não apenas diminui a fertilidade como também reduz um elemento protetor do cérebro das mulheres, tornando-as mais vulneráveis ao envelhecimento cerebral e o Alzheimer”, disse Lisa.

Fonte: Veja

Veja também

Clube de benefícios
+

Tem coisas que só a Philco faz pra você.

Até 30% de desconto

Saiba mais

Cel.Lep qualidade no ensino.

10% de desconto

Saiba mais

Câmeras e assessórios com descontos.

20% de desconto

Saiba mais

Ofertas especiais para você, confira!

Até 40% de desconto

Saiba mais