A PHP Error was encountered

Severity: Notice

Message: Undefined index: HTTP_ACCEPT_LANGUAGE

Filename: hooks/lang.php

Line Number: 26

A PHP Error was encountered

Severity: Warning

Message: Cannot modify header information - headers already sent by (output started at E:\inetpub\portalapcd2016\system\core\Exceptions.php:185)

Filename: libraries/Session.php

Line Number: 675

Ambiente familiar é determinante para formação do microbioma bucal, diz pesquisa - Portal APCD
APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Ambiente familiar é determinante para formação do microbioma bucal, diz pesquisa

Estudo revela que o mix de microrganismos que habitam a saliva é determinado, em grande parte, pela família do hospedeiro humano

Pesquisadores do Reino Unido descobriram que a mistura de microrganismos que habitam a boca de uma pessoa é amplamente determinada pelo ambiente familiar. O estudo publicado na mBio®, uma revista de acesso aberto da American Society for Microbiology, mostra que as primeiras influências ambientais desempenham um papel muito maior do que a genética humana na formação do microbioma salivar – o grupo de organismos que desempenham um papel crucial na saúde oral e geral.

Segundo Adam P. Roberts, professor sênior de quimioterapia antimicrobiana da Liverpool School of Tropical Medicine, geralmente, é conhecido que existe uma ligação entre os nossos microbiomas e a nossa saúde, e essa é a razão suficiente para descobrir o que está lá, como chegaram lá e o que estão a fazer.

Adam Roberts coliderou o estudo, que foi realizado anteriormente durante a sua presença no UCL Eastman Dental Institute. O estudante de pós-graduação do UCL Genetics Institute, Liam Shaw, acrescenta: “A cavidade oral é naturalmente colonizada por centenas de espécies bacterianas, que impedem os patógenos externos de estabelecer um ponto de apoio, mas também podem causar doenças orais”.

A equipe de pesquisa queria saber como o microbioma salivar é estabelecido e quais  fatores são mais importantes para a combinação de bactérias encontradas na cavidade oral. O colega de Adam Roberts, o imunologista da UCL, Andrew M. Smith, teve acesso a um conjunto de amostras exclusivo – DNA e saliva da família judia de Asquenazes, dispersa por quatro cidades em três continentes. Isso permitiu à equipe perguntar o quanto da variação observada nos microbiomas salivares é devido à genética do hospedeiro e quanto é devido ao meio ambiente.

Como os membros da família são judeus Asquenazes ultraortodoxos, compartilham dietas culturais e estilos de vida que controlam muitos fatores confusos.  Além disso, como o DNA dos membros da família já havia sido sequenciado ao nível de mudanças únicas no código de DNA, a equipe de pesquisa possuía uma medida única e precisa de sua relação genética.

Shaw e equipe sequenciaram as assinaturas de DNA bacteriano presentes em amostras de saliva de 157 membros da família e 27 controles de judeus Asquenazes não relacionados. Em todas as amostras, encontraram o microbioma salivar do núcleo composto de bactérias dos géneros Streptococcus, Rothia, Neisseria e Prevotella.

Para obter o que poderia estar conduzindo as diferenças ao nível das espécies bacterianas, Shaw e a equipe usaram métodos estatísticos adotados da ecologia para determinar quais fatores são responsáveis pela maior variação. Ao comparar fatores como o lar compartilhado, a cidade, a idade e a relação genética, o fator que determinou quem compartilhou os microrganismos de saliva mais semelhantes era predominantemente o ambiente familiar. “O que isso nos diz é que o contato e o compartilhamento de microrganismos que ocorrem no ambiente muito local é o que determina as diferenças entre os indivíduos”, diz Shaw.

Cônjuges e pais e crianças menores de 10 anos que moravam na mesma casa tinham os microbiomas de saliva mais parecidos. “O contato nem precisa ser íntimo, como beijar”, diz Roberts. “As mãos das pessoas estão cobertas de saliva e tocam em tudo na casa.” Crianças menores de 10 anos tinham mais bactérias semelhantes aos seus pais do que as crianças mais velhas, talvez refletindo que as crianças mais velhas estão se tornando “indivíduos mais independentes”, diz Roberts.

A equipe também analisou atentamente se a relação genética levou à composição do microbioma da saliva. Quando usaram uma medida de parentesco com base apenas em relacionamentos familiares, viram um efeito pequeno, mas estatisticamente significativo. No entanto, quando utilizaram a informação da sequência genética, uma medida mais precisa da relação, o efeito desapareceu. Em outras palavras, a genética de uma pessoa não desempenhou praticamente nenhum papel na formação dos seus microrganismos de saliva.

Este estudo mostra que os ambientes compartilhados durante a educação desempenham um papel importante na determinação da comunidade de bactérias estabelecida. E sabendo que o ambiente compartilhado determina o microbioma, pode dar-nos a capacidade de modulá-lo um dia.

Roberts aponta o exemplo da periodontite, uma doença infecciosa bastante comum e muitas vezes debilitante, quando associada a um microrganismo alterado.  “Uma vez que entendemos os membros da microbiologia que são responsáveis pela saúde, nosso comportamento cotidiano pode se adequar para mudar favoravelmente nosso microbioma”.

Fonte: Dental Press

Veja também

Clube de benefícios
+

Abertura de consultórios, CCM e mais.

Descontos especiais

Saiba mais

Faça Check List Contábil do consultório!

Descontos especiais

Saiba mais

Descontos exclusivos na Rede Droga Raia.

Descontos especiais

Saiba mais

Muita diversão em condições especiais!

Até 60% de desconto

Saiba mais