APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Cientistas iniciam pesquisa clínica com tratamento inovador de esquizofrenia

Estratégia baseia-se em um crescente corpo de evidências que indicam que a esquizofrenia pode ser uma doença do sistema imunológico

Cientistas britânicos iniciaram uma pesquisa clínica que testa uma abordagem radical e inovadora para o tratamento da esquizofrenia: uma terapia imunossupressora geralmente utilizada no controle dos sintomas da esclerose múltipla. A estratégia baseia-se em um crescente corpo de evidências que indicam que a esquizofrenia pode ser uma doença do sistema imunológico.

Estudos anteriores sugeriram que anormalidades na atividade imunológica no cérebro podem ser a causa da doença em alguns pacientes. Um deles descobriu que, nos estágios iniciais da esquizofrenia, as pessoas apresentam um aumento no número e na atividade das células imunes no cérebro, chamadas microglias.

Além de combater a infecção, essas células têm uma função de “jardinagem” ao podar conexões indesejadas entre os neurônios. Entretanto, em pacientes com esquizofrenia, essa poda é mais agressiva e causa a perda de conexões vitais. “Antigamente pensávamos que corpo e mente eram coisas separadas, mas não é bem assim. A mente e o corpo interagem constantemente e não é diferente com o sistema imunológico. É uma questão de mudar a forma como pensamos sobre doenças mentais”, disse Oliver Howes, professor de psiquiatria celular no MRC Instituto de Ciências Médicas de Londres.

Tratamento convencional X nova terapia

O tratamento convencional age bloqueando a transmissão de dopamina no cérebro, o que pode ajudar a manter os surtos sob controle, mas não o protege contra os danos estruturais. O imunossupressor, por outro lado, poderia prevenir essa perda, atingindo diversos fatores da doença, inclusive as microglias,

O novo estudo, uma colaboração entre pesquisadores da MRC e da King’s College Londres, envolve tratar pacientes com um medicamento de anticorpo monoclonal Natalizumabe, utilizado para tratar esclerose múltipla. Diferentemente da esclerose, na qual os anticorpos danificam os nervos, na esquizofrenia o sistema imunológico afeta o próprio cérebro, causando a psicose. Mas o medicamento também serviria para remover os anticorpos associados ao surgimento da doença.

Inicialmente, 60 pacientes serão tratados ao longo de três meses. Metade deles receberá a infusão no anticorpo e os demais, um placebo. A administração do medicamento consiste em ir à clínica uma vez por mês para receber uma hora de infusão. Todos os pacientes e mais 30 voluntários saudáveis serão acompanhados por uma série de scaners cerebrais, testes cognitivos e atividades imunológicas. A expectativa é que o estudo se prolongue por dois anos.

Segundo os autores, mesmo se não houver melhora nos sintomas dos pacientes, a expectativa é que a pesquisa consiga responder  a questões fundamentais sobre o papel do sistema imunológico no desenvolvimento da doença.

A doença

A Organização Mundial da Saúde estima que pelo menos 26 milhões de pessoas vivam com esquizofrenia no mundo. As causas da doença, na qual o paciente perde o contato com a realidade, são desconhecidas. No entanto, os episódios de surtos e delírios podem estar associados a desequilíbrios de neurotransmissores no cérebro. Segundo estudos anteriores, experiências estressantes e o uso de drogas recreativas também podem desencadear episódios em pessoas vulneráveis.

 Fonte: Veja

Veja também

Clube de benefícios
+

Descontos especiais pelo Clube de Benefícios.

Até 15% de desconto

Saiba mais

Ofertas especiais para você, confira!

Até 40% de desconto

Saiba mais

Os Melhores produtos

10% de desconto

Saiba mais

Descontos exclusivos na Rede Drogasil.

Descontos especiais

Saiba mais