APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Pesquisadores encontram fóssil de urso primitivo com cárie

Pesquisadores identificaram restos de um urso de 3,5 milhões de anos de idade, a partir de um sítio rico em fóssil no Alto Ártico do Canadá. O estudo mostrou não apenas que o animal é um parente próximo do ancestral de ursos modernos – rastreando seus ancestrais de equivalente idade de ursos extintos da Ásia Oriental – mas também que tinha um dente careado evidente.

Os cientistas identificaram o urso como Protarctos abstrusus, que anteriormente era conhecido apenas a partir de um dente encontrado em Idaho. Mostrando a sua natureza transitória, o animal era um pouco menor do que um urso preto moderno, com uma cabeça mais plana e uma combinação de características dentais primitivas e avançadas. “Esta é a evidencia de registro mais ao norte para ursos primitivos, e fornece uma ideia de como o ancestral dos modernos pode ter sido”, disse Xiaoming Wang, principal autor do estudo e curador do Vertebrate Paleontology do Natural History Museum of Los Angeles County. “Como é apenas interessante a presença de cárie dentária, mostrando que infecções orais têm uma longa história evolutiva dos animais, o que pode nos dizer sobre sua dieta açucarada. Esta é a primeira e mais antiga ocorrência documentada de dieta de alto valor calórico basal em ursos, provavelmente relacionados ao armazenamento de gordura na preparação para o rigoroso inverno ártico”.

A equipe de pesquisa, que incluiu a coautora Natalia Rybczynski, paleontóloga e pesquisadora associada do  Canadian Museum of Nature, foi capaz de estudar ossos recuperados do crânio, mandíbulas e dentes, bem como partes do esqueleto, de dois indivíduos.

Os ossos foram descobertos ao longo de um período de 20 anos pelos cientistas do Canadian Museum of Nature, incluindo Rybczynski, em um fóssil na localidade de Ellesmere Island conhecida como sítio Beaver Pond.  Depósitos de turfa incluem plantas fossilizadas indicativo de um tipo de pântano de floresta boreal e produziram outros fósseis, incluindo peixe, castor e pequenos carnívoros.

Os achados do estudo foram publicados no Scientific Reports Journal e mostram que o Protarctos de Ellesmere viveu em um tipo de habitat na floresta boreal, onde havia 24 horas de escuridão no inverno, bem como de cerca de seis meses de gelo e neve.

Os dentes de ambos os indivíduos Protarctos mostram sinais bem desenvolvidos de cárie dentária que foram identificados utilizando tomografia por Stuart White, professor emérito da University of California, Los Angeles School of Dentistry. As cavidades sublinham que estes ursos antigos consumiram grandes quantidades de alimentos açucarados. “Sabemos que ursos modernos consomem frutas açucaradas no outono para promover o acúmulo de gordura que permite a sobrevivência de inverno através da hibernação. A cárie dentária em Protarctos sugere que o consumo de alimentos ricos em açúcar, como berries, em preparação para a hibernação no inverno, se desenvolveu no início da evolução dos ursos como uma estratégia de sobrevivência”, explicou Rybczynski.

Fonte e foto: Dental Tribune

Veja também

Clube de benefícios
+

Seu pet merece o melhor!

5 % de desconto

Saiba mais

Serviços especializados aos associados da APCD

Descontos especiais!

Saiba mais

Condições especiais para Associados

Até 20% de Desconto

Saiba mais

A segurança que você procura!

Descontos especiais

Saiba mais