APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Agosto Dourado: um passo à frente para o incentivo ao aleitamento materno

Relação da Odontologia com o aleitamento materno reitera importância da participação do Cirurgião-Dentista como incentivador e integrante da promoção de saúde bucal

Amamentar, aleitar, dar de mamar, alimentar, nutrir, sustentar! A garantia da saúde materno-infantil é uma das metas para este milênio, visto que gestantes e crianças compõem grupos prioritários nos serviços da saúde. Posto isso, uma das estratégias empregadas para a promoção da saúde do binômio mãe-filho é o incentivo ao aleitamento materno. Estudos comprovam que a amamentação é capaz de salvar a vida de cerca de 13% das crianças, menores de 5 anos, em todo o mundo. E, isso é uma realidade, afinal, os benefícios do aleitamento, tanto para a mãe como para o bebê, do ponto de vista imunológico, nutritivo, afetivo, cognitivo, intelectual, entre outros, é um consenso entre os profissionais da saúde.

A prevalência de amamentação no Brasil é temática. Desde 1992, a Semana Mundial de Aleitamento Materno (SMAM) é comemorada na primeira semana de agosto, entre os dias 1 e 7. Logo, em abril de 2017, o Congresso Nacional sancionou a Lei nº 13.435, instituindo o mês de agosto como o mês do aleitamento materno e intitulando-o como Agosto Dourado. À vista disso, a cada ano, um tema ou ângulo sobre essa questão é ressaltado para fomentar a amamentação e a diferença que ela faz na promoção à saúde da criança, no vínculo familiar, na educação e em diversos fatores ao longo da vida. “Aleitamento materno: a base da vida” é o tema da Semana Mundial de Aleitamento Materno de 2018, definido pela Aliança Mundial para Ação em Amamentação (WABA).

Nesse cenário, e com o objetivo de ampliar as discussões sobre o tema, a odontopediatra e diretora do Departamento de Prevenção e Promoção da Saúde da APCD, Helenice Biancalana, convidada do APCD Jornal para compartilhar sobre o aleitamento materno e suas vertentes dentro da Odontologia, aborda que no início da vida, o leite materno reúne as características nutricionais ideais com adequado balanceamento de nutrientes para suprir as necessidades do bebê. “Altamente digestível, nutritivo e preventivo, uma vez que é constituído por imunoglobulinas que reforçam a imunidade do bebê contra doenças alérgicas e infecciosas, o leite materno, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) é recomendável, exclusivo, até a criança completar seis meses de vida e a manutenção do aleitamento com complemento nutricional, até os dois anos ou mais”.

No que se refere à amamentação natural, Helenice pontua que o aleitamento deve ser estimulado, pois o ato fisiológico da sucção na mama materna promove um intenso trabalho da musculatura peribucal, influencia o desenvolvimento correto dos padrões ósseos e musculares, gerando fadiga nos músculos e fazendo com que a criança satisfaça seu instinto de sugar e não necessite de uma sucção não nutritiva. Vale dizer, ainda, segundo a odontopediatra, que a amamentação natural “apresenta valores dietéticos e imunológicos incomparáveis, estimula a função gástrica normal do recém-nascido, tem ação psicológica calmante, pelo amplo contato materno, conforto e calor naturais que o momento da amamentação proporciona à criança, evita superalimentação e diminui a aerofagia e, por fim, favorece um desenvolvimento maxilomandibular normal. Atualmente, enfatiza-se a ação benéfica do aleitamento sobre o crescimento das várias estruturas faciais. Sugar no peito aprimora a mobilidade, postura e tonicidade da musculatura orofacial envolvida, contribui para o estabelecimento da respiração nasal, além de prevenir a instalação de hábitos orais deletérios e más oclusões. Além disso, o posicionamento adequado, na amamentação, também contribui para diminuir o risco de problemas auditivos causados por otites, já que um fator agravante da perda auditiva condutiva é a ingestão de líquidos na posição deitada, principalmente em recém-nascido (RN), em virtude da disposição da tuba auditiva mais horizontalizada. A sucção, deglutição e respiração, funções primárias do bebê, são desenvolvidas por meio de uma correta forma de amamentação, devendo constituir um sistema equilibrado. A nutrição e sucção devem estar em equilíbrio, caso contrário, a necessidade de sucção pode não ser alcançada, causando uma insatisfação emocional, e assim a criança buscará substitutos como dedo, chupeta, ou objetos, adquirindo hábitos deletério”.

Todavia, com o nascimento do bebê, as dúvidas sobre o aleitamento ainda surgem, já que a prática exige paciência, calma, envolvimento familiar, muito amor e interação. O leite materno é o melhor e mais completo alimento e não necessita de nenhum complemento “ainda nos primeiros dias de vida do bebê, na maternidade, é realizado o teste do frênulo lingual, obrigatório por Lei 13.002/14, que tem o objetivo de avaliar a possível interferência na amamentação aos casos individuais em que seja constatada dificuldade de amamentação nas primeiras semanas de vida. Em caso de evidência de que a anquiloglossia – condição que restringe a faixa de movimento da língua – seja a causa da dificuldade de amamentação, a indicação da cirurgia de frenotomia pode ser considerada”, diz.

Estudando as percepções, Helenice afirma que “a amamentação natural deve ser abordada sob o âmbito multiprofissional, onde o odontopediatra tem papel de grande relevância para a Odontologia, sobretudo na abordagem da promoção da saúde, durante os primeiros 1000 dias da vida do bebê, período que soma os 270 dias da gestação aos 730 dias até que o bebê complete dois anos de idade. O fato da contagem dos primeiros 1000 dias começar na gravidez é exatamente porque a gestação impacta na saúde física, oral e emocional do feto. Nesse período, a gestante, a mamãe puérpera e a família envolvida, devem ser orientadas e motivadas para a criação de novos hábitos, haja vista a forte relação que existe entre aleitamento materno, o desenvolvimento do sistema estomatognático e a prevenção da cárie. O odontopediatra em sua rotina e planejamento diário é o especialista responsável pelo pré-natal odontológico da gestante onde são abordados, de maneira educativa, a importância de manter uma saúde oral e enfatizando a necessidade da gestante empreender esforço para cuidar da própria saúde oral. Junto aos exames de pré-natal, é recomendado buscar aconselhamento odontológico, principalmente para a prevenção de possíveis complicações, como cárie, dor, inflamação gengival e infecções orais, que podem comprometer a gestação, inclusive conduzir a partos prematuros”.

Considerando essa perspectiva, a APCD apoia o aleitamento materno e se une à Sociedade Brasileira de Pediatria e à Associação Brasileira de Odontopediatria na defesa pela amamentação natural diante de todos os seus benefícios comprovados por inúmeras evidências científicas.

Da Redação

Veja também

Clube de benefícios
+

Associado tem desconto no certificado digital

Condições especiais

Saiba mais

Descontos exclusivos para Associados

Descontos especiais.

Saiba mais

Programa de Vantagens Dell!

Descontos especiais

Saiba mais

Condições especiais para Associados

Até 20% de Desconto

Saiba mais