APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Estudo mostra que proporção de malformações em bebês é 20 vezes maior entre mães que tiveram zika

Um estudo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos verificou que a incidência de uma série de defeitos congênitos em bebês de mães que possivelmente tiveram zika é 20 vezes maior que a média geral.

Os pesquisadores levantaram que entre os nascimentos ocorridos em 2013 e 2014, portanto, antes da chegada da zika, em três regiões americanas (Massachussetts, Carolina do Norte e Atlanta, no estado da Geórgia), a incidência de microcefalia e outros problemas cerebrais, defeitos de tubo neural, oculares e de sistema nervoso central se apresentavam em cerca de 3 a cada mil nascimentos. 

As três regiões usadas como base para o momento "pré-zika" foram escolhidas por terem programas de vigilância populacional para todos os tipos de defeitos congênitos.

Usando outra amostragem e também com base em dados dos EUA entre 22 de janeiro e 15 de setembro de 2016, agora de mães que tiveram zika, o CDC descobriu que a ocorrência disparou para 60 entre mil nascimentos. O registro nacional de mulheres grávidas com zika dos EUA teve 442 casos no período. Destes, 26 bebês ou fetos apresentaram alguns dos defeitos congênitos citados acima. "Esses dados demonstram a importância da vigilância baseada na população para a interpretação de números sobre defeitos congênitos potencialmente relacionados com a infecção pelo vírus da zika", diz o Relatório Semanal de Morbidade e Mortalidade do órgão de saúde americano, onde foi divulgada a pesquisa.

 

Fonte: G1

Veja também

Clube de benefícios
+

Programa de Vantagens Dell!

Descontos especiais

Saiba mais

Oferece um catálogo completo de livros!

Descontos especiais

Saiba mais

Associado tem desconto no certificado digital.

Condições especiais

Saiba mais

Descontos exclusivos para Clientes APCD

10% Desconto

Saiba mais