APCD - Associação Paulista de Cirurgiões-Dentistas

Capes alerta para risco de suspensão de bolsas de pesquisa a partir de agosto de 2019

Orçamento do órgão de fomento foi cortado em 12% para 2019, o que, segundo a entidade, inviabiliza 198 mil bolsas e formação de 244 mil professores

A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), principal agência de fomento à pesquisa do país, ligada ao Ministério da Educação (MEC), publicou uma nota em que alerta o Governo Federal sobre o risco de o teto de gastos públicos inviabilizar o pagamento de bolsas a docentes e alunos de pós-graduação a partir de agosto de 2019. No total, os 93 mil mestrandos, doutorandos e pós-doutorandos e 105 mil bolsistas de programas de formação de professores estão com o benefício ameaçado a partir desta data, segundo a Capes.

Segundo o documento, assinado por Abilio Baeta Neves, presidente da Capes, o teto limitando o orçamento de 2019 fixa um patamar muito inferior ao necessário para manter todas as linhas de atuação da agência. Além da suspensão do pagamento das bolsas, a redução orçamentária também pode levar a interrupção da Universidade Aberta do Brasil (UAB), um dos principais programas federais de formação de professores, que tem mais de 245 mil alunos. A limitação também prejudicaria a continuidade de praticamente todos os programas de cooperação com o exterior.

Restrição

A Capes vem sofrendo com os cortes orçamentários desde 2015. Naquele ano, foram empenhados 7,7 bilhões de reais para a agência. Hoje, seu orçamento é de 3,94 bilhões de reais, dos quais 1,95 bilhão de reais já foi gasto.

A pasta da Educação alega que quem envia os limites de orçamento para todos os órgãos é o Ministério do Planejamento. Por sua vez, essa pasta argumenta que define apenas o montante global de cada ministério, cabendo aos ministros a responsabilidade de distribuir os recursos entre suas unidades, de acordo com suas estratégias e compromissos.  “Os recursos para o Ministério da Educação estão acima do mínimo constitucional em 2018 e os referenciais monetários para 2019 também preveem recursos acima do limite constitucional. Não podemos desconhecer que o país vive grave crise fiscal. Ela afeta todo o governo, inclusive o Ministério da Educação. Cabe ao ministro da Educação distribuir os recursos segundo suas prioridades”, diz a nota da pasta.

Reunião

Na sexta-feira, 3 de agosto, os ministros da Educação, Rossieli Soares da Silva, e do Planejamento, Esteves Colnago Júnior, se reuniram em busca de uma saída para o impasse.

O Projeto de Lei Orçamentária Anual para 2019 ainda não foi divulgado oficialmente pelo Governo Federal. No orçamento deste ano, o valor destinado ao Ministério da Educação é 23,6 bilhões de reais. Para o ano que vem, a previsão é que o MEC fique com 20,8 bilhões de reais no Orçamento da União – um corte de 12%, que foi repassado proporcionalmente à Capes.

A redução orçamentária é resultado da política de limitar a despesa pública instituída pela Lei do Teto de Gastos. Apesar de a Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2019, aprovada em julho pelo Congresso Nacional, prever a reposição da inflação sobre as bolsas, o limite definido pelo Ministério do Planejamento não deixaria outra opção: o corte de pagamentos a partir de agosto do ano que vem.

Fonte: Veja

Veja também

Clube de benefícios
+

Associados têm Descontos de 15% OFF

15% OFF

Saiba mais

Descontos exclusivos na Centauro!

10% de desconto

Saiba mais

Aqui você tem desconto garantido.

Desconto Especiais

Saiba mais

Aqui você encontra as melhores marcas!

Descontos especiais.

Saiba mais

Este site usa cookies para garantir que você tenha a melhor experiência em nossos serviços. Se quiser ainda, consulte nossa Política de Privacidade.